logo AzMina

Verão literário: 9 cursos, eventos e leituras para começar o ano

por Bruna Escaleira
10 de janeiro de 2018
Confira algumas dicas de cursos, eventos, clubes de leitura e revistas literárias que vale a pena ficar de olho o ano todo
Céditos: Montagem AzMina

 

“Que tal começar 2018 tirando da gaveta aquela velha resolução de ler mais? A programação de janeiro em centros culturais por todo o país convida a mergulhar no universo da literatura – especialmente aquela que mais nos interessa nesta coluna: feita por mulheres! Confira algumas dicas de cursos, eventos, clubes de leitura e revistas literárias que vale a pena ficar de olho o ano todo:

 

Clubes de leitura “Leia Mulheres” por todo o Brasil

Criado em 2015 por Juliana Gomes, Juliana Leuenroth e Michelle Henriques, o Leia Mulheres busca promover encontros presenciais para a leitura e debate sobre autoras clássicas a contemporâneas. Inspirados pela iniciativa, mais de 70 clubes de leitura já foram criados em 23 estados e no Distrito Federal. Apenas Acre, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul ainda não contam com clubes Leia Mulheres (alou, acreanas, mato-grossenses e sul-mato-grossenses, #ficadica!). Boa parte desses grupos organizam encontros mensais e a programação de janeiro está riquíssima. Confira a agenda no site do projeto ou procure pelo grupo da sua cidade no Facebook.

 

Contação de histórias sobre mulheres fortes para crianças

Já imaginou como foi a infância de Malala Yousafzai, Carolina Maria de Jesus, Frida Kahlo ou Marina Colasanti? É esta a brincadeira proposta pela Cínica Cia de Teatro para suas apresentações no Sesc Registro (SP), todos os sábados de janeiro (6 a 27/01). Entrada livre e gratuita. Saiba mais aqui.

 

Encontros de leitura e debate sobre personagens afrolatinas

Em 16 e 23/01, o Sesc 24 de Maio (São Paulo, capital) promove dois encontros para a discussão de narrativas sobre as vivências de mulheres negras e pobres no país, a partir das obras: Ponciá Vicêncio, de Conceição Evaristo; A Hora da Estrela, de Clarice Lispector; e Quarto de Despejo, de Carolina Maria de Jesus. Mediada pela escritora e professora Paloma Franca Amorim, a atividade não requer leitura prévia dos livros citados e tem entrada gratuita. Saiba mais aqui.

 

Oficinas de escritas eróticas

Com o objetivo de debater e incentivar a produção literária erótica abrangendo questões de gênero e sexualidades, este curso faz parte da “Libertária: mostra poéticas dissidentes, corpos insurgentes” promovida pelo Sesc Belenzinho (São Paulo, SP). A atividade é gratuita e ocorre de 16/01 a 27/02, com a participação das autoras e autores Seane Melo, Bruna Escaleira, Victória Sales, Fabrício Viana, Alexandre Marques Rodrigues e André Sant’Anna. A cada encontro, um deles facilitará a atividade, compartilhando sua experiência na produção literária e propondo exercícios de escrita criativa. Para participar, é preciso se inscrever em uma unidade do Sesc nesta sexta-feira, 12/01. Mais detalhes aqui.

 

Encontros de leitura de literaturas eróticas

As professoras Eliane Robert Moraes e Giuliana Ragusa e o poeta Akins Kintê mediam encontros de leitura e debate de textos eróticos, jogando luz sobre a produção brasileira, lésbica e negra nesta temática. O curso também faz parte da mostra “Libertária” e acontece de 18/01 a 15/02 no Sesc Belenzinho (SP, capital), com entrada gratuita. Saiba mais neste link.

 

Fantástika – 1º festival brasileiro de literatura fantástica

“Em um país marcado por tantos acontecimentos fantásticos, desde situações políticas que desafiam qualquer roteirista a catástrofes apocalípticas como a de Mariana-MG (…) a fantasia, a ficção científica e as ficções especulativas são revolucionárias?”, questionam os organizadores. De 27/01 a 03/02, escritores e pesquisadores reúnem-se para debater as possibilidades oferecidas por este gênero literário ainda pouco valorizado no Brasil. Majoritariamente composta por mulheres, a programação contempla discussões sobre gênero, raça e sexualidades. Os encontros são gratuitos e acontecem em São Paulo, capital, na livraria e centro cultural Tapera Taperá e na Casa das Rosas, mas poderão ser assistidos de qualquer lugar do Brasil e do mundo pela transmissão ao vivo na página do Facebook da Tapera. Veja a programação completa aqui.

 

Revista Raimundo – Ficção científica escrita por mulheres

Falando em fantasia, a revista literária Raimundo acaba de lançar a edição Nebulosa, inteiramente dedicada à ficção científica escrita por mulheres em língua portuguesa. Se este gênero literário já não é lá muito valorizado pela crítica lusófona, que dirá a produção de escritoras que se aventuram por ele, propondo novas formas de ver o mundo muito além da velha e gasta “saga do homem branco, que sai por aí exibindo suas habilidades superiores que parecem ter vindo do além”, como diz o editorial da revista? O melhor é que não precisamos nem “pagar pra ver” o resultado desta provocação, literalmente, já que a edição pode ser lida na íntegra gratuitamente, basta acessar o site.

 

Revista Crioula – Especial feminismos

Como nem só de fantasia vive a literatura, convidamos a todas a se aventurarem também pelas páginas científicas, porém, não ficcionais da academia. Afinal, o conhecimento produzido nas universidades tem grande influência sobre nossa formação como leitores. Nos últimos anos, desigualdades de gênero, raça, classe e sexualidades no meio literário têm se tornado cada vez mais tema de pesquisas importantíssimas para mudanças neste cenário. “Diálogos de Resistência: perspectivas feministas e literatura”, a última edição da revista dos alunos de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa da USP, reúne artigos, resenhas e textos literários inéditos sobre a temática feminista. Todo o conteúdo pode ser lido ou baixado gratuitamente no site da revista.

 

Revista Capitolina – Adolescentes empoderadas

Uma revista feita por garotas, para garotas, de forma independente. Com a missão de “representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são”, a revista online fala sobre tudo, desde literatura e artes, até escola e relacionamentos. Sem dúvida, uma boa opção de leitura para jovens e suas famílias a qualquer momento! Todas as matérias e edições estão disponíveis no site da revista de forma gratuita.

 

*Se você é uma escritora ou tem alguma sugestão de autora para apresentarmos, envie e-mail para bruna.escaleira@azmina.com.br e nos conte tudo 😉

**As opiniões aqui expressas são da autora e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo da Revista AzMina. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

AzMina é uma resposta feminista à desigualdade e ao preconceito