logo AzMina

Tanto Brasil quanto Argentina têm leis contra o feminicídio, mas isso não basta

por Lívia Magalhães
20 de outubro de 2016
A diferença é que a pena na Argentina é perpétua, enquanto no Brasil a pena é de reclusão de 12 a 30 anos, podendo ser agravada em casos específicos

O assassinato brutal da jovem argentina, Lucía Pérez, de 16 anos, chocou não apenas seus conterrâneos como também toda comunidade internacional. A jovem foi drogada e estuprada e, segundo a polícia, Lucía faleceu em virtude do empalamento sofrido – um objeto pontiagudo foi inserido na sua vagina e no seu ânus. A barbárie contra Lucía provocou a comoção das argentinas que, na última quarta-feira, 19/10, organizaram uma manifestação para pedir justiça e para que não haja mais Lucías no país. A greve das mulheres foi chamada de #NiUnaMenos, hashtag que alcançou o status de mais comentada mundialmente, às 16h, no dia da mobilização.

Não é novidade que a cultura machista está arraigada não apenas no Brasil, como em toda América Latina. O que poucos sabem é que este cenário acarretou a decisão política de 16 países de tipificar o assassinato de mulheres em determinadas circunstâncias.

A Argentina, assim como o Brasil, incorporaram nos seus Códigos Penais o feminicídio como qualificadora e agravante do delito de homicídio. A diferença é que a pena na Argentina é perpétua, enquanto no Brasil a pena é de reclusão de 12 a 30 anos, podendo ser agravada em casos específicos.

Estudiosos afirmam que o feminicídio não é um fato isolado na vida das mulheres, mas é o ponto final da continuidade de um terror, que inclui agressões verbais, físicas e várias manifestações de violência a que as mulheres são submetidas ao longo de suas vidas. Portanto, o assassinato de mulheres não apenas por parceiros íntimos, mas também por parceiros não íntimos, que tenha sido motivado por razão de gênero, é considerado feminicídio.

A brutalidade desses crimes, por si só, demonstra como o agressor objetifica a mulher, que não mereceria nenhum respeito como ser humano.

Criar leis é importante, mas não é suficiente. O grande desafio é erradicar os homicídios no contexto de violência contra a mulher, penalizando adequadamente os agressores e prevenindo novos crimes.

São necessários instrumentos para a boa aplicação da lei. Para que não haja mais Lucías Pérez, Eloás Cristina e Daniellas Perez, são necessárias a capacitação cotidiana dos operadores da justiça e dos policiais para que os procedimentos sejam realizados com a devida seriedade, assim como políticas públicas preventivas que privilegiem a proteção da mulher. À nós, mulheres, resta gritar, lutar e sonhar que um dia todo esse pesadelo de violência inaceitável irá acabar.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo da Revista AzMina. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

AzMina é uma resposta feminista à desigualdade e ao preconceito