logo AzMina

“Sou mulher, sou indígena e sinto isto aqui”

por Equipe AzMina
5 de maio de 2016
Em documentário dirigido por Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu, mulheres falam do preconceito que enfrentam fora de suas comunidades e o machismo de dentro delas

Resolvemos entregar o Divã d’AzMina de hoje a mulheres indígenas ouvidas pelas documentaristas Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu. Neste documentário, mulheres falam do preconceito que enfrentam fora de suas comunidades e o machismo de dentro delas. Um olhar simples e belo para essas mulheres que são tantas vezes esquecidas pela sociedade – e até por alguns grupos feministas.

 

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo da Revista AzMina. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

AzMina é uma resposta feminista à desigualdade e ao preconceito