azm_logo-educacional

AzMina agora conta também com cursos, palestras, workshops e oficinas

Conheça aqui nossas propostas educativas

Nana Queiroz

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Nana Queiroz

Nana Queiroz

Diretora de Redação
A Nana é jornalista, escritora e diretora de redação da Revista AzMina. Escreveu os livros "Você já é feminista: abra este livro e descubra o porquê" e “Presos que Menstruam”, além de roteirista do filme de mesmo nome que está em produção (e querendo virar série). Ela também é criadora do protesto Eu Não Mereço Ser Estuprada. Entrou nas listas de mulheres mais destacadas de 2014 do UOL, Brasil Post e do think tank feminista Think Olga. Foi finalista do Troféu Mulher Imprensa 2016. Como jornalista, trabalhou nas revistas Época, Galileu, Criativa e Veja, além dos jornais Correio Braziliense e Metro. No ativismo, foi media campaigner da Avaaz. É bacharel em jornalismo pela USP e especialista em Relações Internacionais pela UnB. Siga a Nana em: www.facebook.com/nana.queiroz

O Bolsonaro americano concorre pela presidência

Donald Trump foi a piada que ficou séria nas eleições presidenciais americanas

Porque as mulheres devem celebrar o aumento da licença paternidade

A licença é ainda insuficiente, mas é um grande passo para o reconhecimento de que maternidade e paternidade têm importância igual para os filhos

A violência tem cor e gênero no Brasil

Dados do último Mapa da Violência denotam aumento de 54% nos homicídios de mulheres negras, enquanto o assassinatos de brancas caiu 9,8%. O que explica isso? Uma complexidade de questões!

FHC teria feito dois abortos – só a mulher comum não pode?

Ex-amante do presidente disse que ele pagou para interromper gestações indesejadas. Bem-vindos ao Brasil, onde só pobre precisa seguir uma lei machista

Garota Dinamarquesa: um – ótimo – filme de trans pra iniciantes

O longa que estreia hoje emociona mesmo quem ainda não abriu o coração para a causa, com o drama de uma mulher presa num corpo masculino e numa era de intolerância

“Crianças podem mudar de gênero porque não se trata de escolha”

Para advogada que estuda troca de nomes por menores de idade, o argumento de que crianças não têm autonomia de decisão não é válido, já que não há uma decisão a ser tomada quando se refere à identidade

Mulheres da China Comunista Consumista

Abertura ao capitalismo e invasão da cultura ocidental têm apresentado nossos desafios às chinesas, que vivem uma crise de identidade

Musas do Carnaval denunciam conivência de escolas de samba com assédio

É dura a vida de quem trabalha com a beleza: homens desrespeitam, tocam sem permissão. Além de tudo, organizadores de eventos aconselham modelos a "serem simpáticas" com abusadores

Bloco Mulheres Rodadas faz pré-Carnaval feminista

Objetivo é usar a folia pra mostrar que machismo, racismo e homofobia são coisas ultrapassadas

O que mulheres de outras culturas achariam da Globeleza?

Fomos até New Orleans (EUA), uma das cidades mais carnavalescas do mundo, e mostramos pra elas a propaganda deste ano. Esta foi a reação delas:
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE