azm_logo-educacional

AzMina agora conta também com cursos, palestras, workshops e oficinas

Conheça aqui nossas propostas educativas

Nana Queiroz

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Nana Queiroz

Nana Queiroz

Diretora de Redação
A Nana é jornalista, escritora e diretora de redação da Revista AzMina. Escreveu os livros "Você já é feminista: abra este livro e descubra o porquê" e “Presos que Menstruam”, além de roteirista do filme de mesmo nome que está em produção (e querendo virar série). Ela também é criadora do protesto Eu Não Mereço Ser Estuprada. Entrou nas listas de mulheres mais destacadas de 2014 do UOL, Brasil Post e do think tank feminista Think Olga. Foi finalista do Troféu Mulher Imprensa 2016. Como jornalista, trabalhou nas revistas Época, Galileu, Criativa e Veja, além dos jornais Correio Braziliense e Metro. No ativismo, foi media campaigner da Avaaz. É bacharel em jornalismo pela USP e especialista em Relações Internacionais pela UnB. Siga a Nana em: www.facebook.com/nana.queiroz

“Quando estamos trabalhando não queremos ser bonitas, queremos ser inteligentes”, diz Youtuber assediada por Vin Diesel

Em entrevista exclusiva à AzMina, Carol Moreira fala sobre a chuva de ataques que recebeu nas redes sociais desde que decidiu expor comportamento do ator americano

“As dores e delícias de ser uma ansiosa”

É uma mistura de egocentrismo e falta de autoconfiança. Você acha que nunca é o bastante e, ao mesmo tempo, parece que todo mundo tá de olho para ver o seu fracasso

E se formos todas putas? – Resenha sobre um livro a ser lido

Colunista d'AzMina, doutoranda e prostituta, Amara Moira conta experiência na prostituição em nova obra, que promete se tornar leitura obrigatória para quem pensa o feminismo

Solto, assessor de Feliciano afirma que Patrícia será investigada por falsa denúncia

Jovem alega estar sendo vítima de ataques do PSC e que prints de supostas conversas em que teria ameaçado Feliciano são montagens da pior espécie

A vida invisível de nossas mães e avós

Romance retrata a sociedade carioca dos 1950, mas alimenta reflexões que servem para os dias de hoje

Igrejas LGBT inclusivas ganham espaço após tiroteio de Orlando

Elas apostam em uma interpretação acolhedora da Bíblia, da Torá, do Corão e todos os textos sagrados

O complicado dilema sobre gays enrustidos e mulheres machistas

Claro que existem mulheres machistas tanto quanto existem gays enrustidos e amargos, mas essas pessoas não podem ser as grandes culpadas pela própria opressão, não faz sentido

Um bate papo sobre o estupro com um amigo que não quer ser machista

Eu não estou dizendo que o Amigão do Futebol merece uma medalha de ouro por ter me ligado e pedido conselhos. Eu e ele sabemos que ele não fez mais que a obrigação - o problema é que têm, infelizmente, muito homem por aí que não faz nem isso...

Armar mulheres, castrar agressores e moralizar a sociedade acabaria com o estupro no Brasil?

Diante de um histórico de impunidade, até mesmo antigos defensores dos direitos humanos têm se sentido inclinados a apoiar medidas drásticas. Mas será que isso reduziria ou aumentaria os danos?

Nem Marcela Temer nem Maria Antonieta são as vilãs da História

As duas são mais vítimas que algozes. Ambas foram transformadas em objetos de adorno de maridos machistas que acreditam que o seu lugar é o de "bela, recatada e do lar"
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE