azm_logo-educacional

AzMina agora conta também com cursos, palestras, workshops e oficinas

Conheça aqui nossas propostas educativas

debora diniz

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Debora Diniz

Debora Diniz

Debora é antropóloga, professora na UnB, escritora, documentarista e pesquisadora da Anis - Instituto de Bioética. Conduziu a Pesquisa Nacional do aborto - a maior já feita sobre o tema no Brasil.

Mulheres, por que greve geral?

São as mulheres as mais afetadas pela reforma trabalhista e da previdência. Devemos falar em aposentadas e trabalhadoras. Sabe por quê? Leia no texto de Débora Diniz

Uma abusada pelo padre, a outra estuprada pelo avô

Débora Diniz conta as histórias de Lucia e Suzana, duas crianças que tiveram as vidas marcadas pelo abuso sexual

Débora Diniz: “Ser feminista e contra o aborto é uma incoerência”

Posicionar-se “contra ou a favor” de escolhas que devem ser de foro íntimo não é uma postura ética compatível com o feminismo

Americanas vão às ruas sábado contra Trump e pelo aborto

Mulheres se preparam para marchar nos Estados Unidos. O principal temor é a perda de direitos já conquistados

2016 foi ano de olharmos para os femicídios causados pela lei

A criminialização do aborto causou uma matança no Brasil: uma mulher a cada seis horas. Esse sangue está nas mãos do Estado.

Três grandes mitos sobre o aborto

Hoje o Supremo vota ação sobre a epidemia de zika, que inclui também o aborto para mulheres grávidas contaminadas. E para o debate avançar, precisamos superar mitos que alimentam o sentimento de ultraje e fanatismo.

Como lidar com os fanáticos? Com a lei!

Judicializar não é fazer uso da força injusta, mas reconhecer que o Estado é uma instância legítima para fazer valer as regras da democracia

Livro conta a história do zika vírus – esse, sim, um legado da Copa do Mundo

A primeira geração de crianças com a síndrome do zika congênito completa um ano de idade, e pouco foi feito pelo governo brasileiro para colocá-las no centro da conversa política sobre a epidemia

Polônia nos ensina: religião e direito ao aborto não são incompatíveis

As mulheres que marcharam de negro são também católicas, mas acreditam que a liberdade é uma forma de arrumar religiões e democracia

Elas abortam

Todas nós conhecemos mulheres que já fizeram um aborto e elas são tão comuns que podem ser nossas queridas avós.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE