A Hard Grrrls surgiu no ano 2000 como um e-zine de divulgação de bandas femininas (ou com vocal feminino) nacionais e gringas. Além de entrevistas e colunas de opinião, diversos mp3s eram disponibilizados. Como naquela época era o acesso à música underground feminina era escasso, o site cresceu rapidamente, tornando-se uma referência. Após alguns anos, a Hard Grrrls se transformou num portal de cultura feminina/feminista.

Em 2003 foi realizado o primeiro festival Hard Grrrls (foram 6 edições, quase todas no saudoso Hangar110), em 2004 participamos da organização do #1 Lady Fest Brasil e encerramos nossas atividades em 2006. Em 2016, um festival revival na Trackers nos garantiu essa coluna independente aqui!

Esse ano o coração falou mais alto e voltamos em busca de nossa história. Com o passar dos anos perdemos quase todos os nossos arquivos, nosso legado, o que nos fez refletir sobre como a história feminina é frágil. Por isso, no início do ano soltamos a chamada “Queremos ouvir a sua história”, com o propósito de compilar os feitos de mulheres reais em mini-videos inspiradores que serão exibidos durante os 3 dias.

Nesse regaste realizaremos três dias de shows no Baixo Augusta.

“É muito emblemático ter um festival Hard Grrrls na Augusta. Um evento que reúne minas que estão na linha de frente com muita militância, fazendo da música o seu verdadeiro espaço. São mulheres que estão envolvidas com projetos feministas, comprometidas em convidar outras mulheres para tocar,  a fim de que a ideia de ‘mulher instrumentista’ também seja totalmente reformulada e valorizada. É disso que se trata esse festival: mulheres que tocam pra boceta!”, diz Camila Garófalo, cantora e compositora.

Foto de Allan Almeida

O Festival acontece nos dias 18, 19 e 20 de maio com uma programação de 13 bandas no total, 4 rodas de conversas, 12 banquinhas (6 em cada dia) de empreendedorismo feminino, uma exibição e uma atividade musical. Os ingressos podem ser adquiridos antecipadamente pelo site sympla.com.br/hardgrrrls a R$ 15, na porta R$ 20 (apenas em dinheiro). Estão sendo comercializados também ingressos limitados passe-livre para os três dias de evento à R$33.

Carmem Lazari expõe seus trabalhos como plano de fundo do palco para Clandestinas, Animalia, Letty, Ema Stoned (no primeiro dia), Bloody Mary Una Chica Band, Camila Garófalo, Sixkicks, Weedra e Moxine (no segundo dia), Harmônicos do  Universo, Winteryard, Bertha Lutz e The Biggs fechando a festa no domingo. A montagem de palco será realizada pelo Stúdio Papiris e comandada por Malka, técnica de som trans com currículo impecável, e Renata Adoración.

Bah Lutz, da banda Bertha Luts (de Belo Horizonte), nos revela:

“Estou muito ansiosa! Hard Grrrls sempre foi referência na minha vida, lembro dos festivais que rolavam em SP quando era adolescente, acompanhava de longe, de outro estado. Sempre sonhei em participar de um, imagina minha alegria de participar no palco, tocando com minha banda. Sonho <3”

O local escolhido para sediar essa empreitada foi o Presidenta Bar! Comandada por Marcia Chiochetti e Camila Possolo, sua filha, como não poderia ser diferente, duas mulheres à frente da casa que ocupa o finado bar Astronete agora (ressignificado) com uma programação cultural não fixa, entre: show, teatro, cineclube ou ensaio de bloco de Carnaval.

Alê e Elke da Ema Stoned acreditam que o cenário atual é muito promissor: “Nós mulheres estamos nos encontrando e discutindo, aprendendo muito umas com as outras. Há muita coisa boa sendo produzida, e é ótimo podermos nos espelhar em outras mulheres.”

“Essa união é fundamental pra ganharmos espaço, na verdade, mais que ganhar, estamos criando espaço” (Alê e Elke da Ema Stoned )

Bah completa: “É muito raro encontrar eventos deste porte, com um line-up exclusivo de bandas de minas e, principalmente, minas trampando em todos os setores: da organização do show até áudio, backstage, produção, expositoras…. enfim, é uma rede extremamente rica  colaborativa de mulheres artistas.”

Esse será um festival para ressaltar o movimento punk-feminista riot grrrl, propondo mais interseccionalidade e transfeminismo em 3 dias de pura sororidade.

“Esperamos conhecer e nos conectar com mais artistas, apresentar nosso som pra uma galera nova e, o mais legal de tudo, quem sabe inspirar alguém na plateia a montar uma banda.” (Fabiana Lugli , banda Moxine)

Pra deixar o evento completo, uma boa novidade sobre o futuro da Hard Grrrls será anunciada durante o festival. All girls to the front!

Fotos do cartaz por Filipa Andreia (we are not with the band) e arte de Lúcia Ellen.

Serviço

Programação: Sexta – 18/05 às 19h
Bate-papo Magic Minas
Bate-papo Longarina

– Clandestinas
–  Animalia
– Letty
– Ema Stoned

—–
Sábado – 19/05 às 15h
Exibição do Mini-Doc “Feito por Elas”
Roda de conversa com a equipe
Roda de conversa Bah

– Bloody Mary Una Chica Band
– Camila Garófalo
– Sixkicks
– Weedra
– Moxine

—–
Domingo – 20/05 às 15h
Pedalaço das Minas – atividade musical por Hérnia de Discos

– Harmônicos do Universo
– Winteryard
– Bertha Lutz (bh)
– The Biggs

Onde? Presidenta Bar e Espaço Cultural
Endereço: Rua Augusta, 335 – Consolação (próximo a estação Anhangabaú do metrô)
Quanto? R$15 (antecipado), R$20 (na porta, apenas em dinheiro), R$33 (ingressos limitados Passe-Livre para os 3 dias de evento – apenas antecipado)
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/187774465148982/