azm_logo-educacional

AzMina agora conta também com cursos, palestras, workshops e oficinas

Conheça aqui nossas propostas educativas

2017

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Vivemos no pós-feminismo?

O que dizem aqueles que acreditam que o feminismo já não é necessário e porque eles estão equivocados

Como amar um corpo fora do padrão? Três mulheres toparam esse desafio conosco!

Gordura, maternidade, paralisia. Elas falam de suas inseguranças e as desnudam para nossas câmeras. O resultado? Pura poesia!

Nós, minas periféricas, fomos a linha de frente da ocupação da nossa escola

Uma estudante secundarista conta como debateu machismo e feminismo durante a ocupação de sua escola

‘Quando chegava a hora da penetração, aquilo sempre me destruía’

'Sempre senti dor e mal estar na penetração. Procurei respostas em muitos lugares. Acreditava que havia algo de errado comigo. Hoje, aos 32 anos, vejo a coisa de outra forma'

Quer ouvir música garage das minas? Tem sim ‘señora’!

Banda argentina 'Las Fantásticas Pupés' conquista seu espaço na cena cultural predominantemente masculina dos 'hermanos'. Elas vieram ao Girls Rock Camp Brasil e contaram pra gente suas experiências

A prostituição deveria ser ilegal ou regulamentada? Talvez nenhum dos dois…

Modelos que se afastam dos extremos têm ganhado cada vez mais espaço. Conheça como funciona a prostituição ao redor do mundo

Do fetiche ao medo: minha viagem pelo mundo do sexo pago

Por trás desta série está uma repórter em curto circuito: tudo que vi e ouvi durante os oito meses de apuração só me fazem concluir que temos que ir além do ‘ser contra ou a favor’

Breve história da prostituição: da puta sagrada à devassa pecadora

Ao contrário do que se imagina, a prostituição nasceu bem antes das sociedades patriarcais - e até do machismo

O tráfico sexual no país mais poderoso do mundo

Até 2011, na Georgia, menores de idade também respondiam pelo “crime de prostituição”. Hoje, 601 permanecem presas pelo mesmo motivo em outros estados americanos

Por que os homens pagam por sexo?

Entrevistamos 191 clientes de prostitutas para descobrir como, apesar de proibições e travas morais, a demanda por serviços sexuais sempre é alta
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE