azm_logo-educacional

AzMina agora conta também com cursos, palestras, workshops e oficinas

Conheça aqui nossas propostas educativas

2016

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O Bolsa Família está empoderando as mulheres?

A Lei do Bolsa Família define que as mulheres devem ser as titulares preferenciais do benefício, isto é, elas devem ter o cartão em seu nome e ser as responsáveis pelo saque do benefício

Enquanto sexo for “coisa de homem” não vamos acabar com a AIDS, alertam especialistas

O prazer é visto como masculino e o cuidado, a prevenção, como algo que cabe às mulheres, inclusive, negociar. Até a camisinha feminina fica na seção masculina das farmácias

Literatura, substantivo feminino: conheça nossa nova seção!

A coluna "AZMina dão a letra" chega perguntando: cadê as minas escritoras? Ainda temos menos espaço no mercado editorial, mas somos muitas, múltiplas e maravilhosas. Vem com a gente conhecer autoras incríveis!

Já podemos celebrar que aborto até o terceiro mês não é crime? Explicamos direitinho a decisão do Supremo

Supremo liberta profissionais de clínica de aborto e abre a maior oportunidade para a descriminalização da história do Brasil

Aborto até o terceiro mês não é crime, entende turma do Supremo

Supremo liberta profissionais de clínica de aborto e abre pela primeira vez discussão sobre a descriminalização.

7 coisas que aprendi com as indígenas sobre maternidade

Talvez não houvesse reportagem se esta não tivesse partido de um preconceito

Como os indígenas vivenciam o parto e a amamentação

Os remédios naturais e chás fazem parte de todo o processo - da gravidez ao pós-parto

As crianças indígenas que são filhas de toda uma comunidade

As relações complexas de parentesco entre muitos grupos indígenas permitem que as crianças recebam atenção pulverizada e desenvolvam autonomia desde pequenas

Semeando gente: como são criadas as crianças indígenas

As crianças Kaingang, por exemplo, mamam no peito de mais de uma mãe, segundo a tradição, e até quando quiserem.

“Nas indígenas, eu buscava uma nova maternidade para me salvar”

Eu tenho 30 anos. Sou uma mulher branca com diploma universitário e sem filhos. E preconceituosa. Não era minha intenção, juro. Como vou falar de maternidade indígena com toda essa bagagem?
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE