Durante a realização de seu trabalho de conclusão de curso de graduação em Cinema e Aduiovisual, Adriana Yamamoto e Digliane Andrade notaram a inferioridade, em números, das mulheres na produções audiovisuais. As mulheres ocupam, no Brasil, cerca de 19% dos cargos de direção e 23% de roteiristas (segundo pesquisa da Ancine) e essas, em grande parte, brancas.

Elas resolveram, então, transformar seu incômodo em ação e criaram o Subjetivas, uma plataforma que tem como objetivo divulgar as mulheres que brilham nesse ambiente de trabalho hostil. As meninas propuseram que as mulheres que topassem participar enviassem um pequeno vídeo que representasse sua subjetividade, como uma forma de se apresentar. Junto à esses vídeos curtos também estarão breves biografias dessas mulheres e outros trabalhos realizados por elas, tudo disponibilizado gratuitamente.

Além das roteiristas e diretoras, as posições mais reconhecidas, elas buscarão trazer o protagonismo também às mulheres da parte técnica, como na manipulação das câmeras, do áudio, entre muitas outras.

Adriana e Digliane, estudantes da UFPel e criadoras do projeto Subjetivas.

O reconhecimento dessas mulheres, que compõem esse ambiente ou estão iniciando suas carreiras, é o começo para que a situação mude, e é exatamente isto que o projeto Subjetivas quer fazer. Segundo elas, “Existe todo um jeito de fazer ‘cinema tradicional. que gostaríamos de repensar e experimentar através do Subjetivas”. A equipe é composta por 8 mulheres, e 28 já participam da sua realização.

“Prezamos desde o início, que seja uma plataforma cheia de diversidade regional, étnica e de lugares de fala diferentes. Um site onde cada realizadora possa expor sua subjetividade e que também permita ao acessante ter contato com uma breve biografia, filmografia e links de outros trabalhos realizados por essas mulheres”

Mas para que isso (e pra praticamente qualquer coisa nessa vida) aconteça, elas precisam de dinheiro e estão arrecadando através do catarse. Alguns valores de doação até recebem brindes!

Com o dinheiro arrecadado, elas possibilitarão que mais mulheres desse meio se unam e se fortaleçam nesse ambiente ainda tão hostil às mulheres , através de uma plataforma online melhor estruturada. Elas também estão no facebook e no instagram.

“O Subjetivas nos conecta e abre espaço para expor e valorizar nossas formas de pensar e estar”

Este projeto surgiu a partir do trabalho final das duas na graduação na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), um filme que reuniu diversos vídeos em que mulheres apresentam sua perspectiva de mundo e cujo trailer você pode ver aqui.

Primeira Exposição Subjetivas, no dia 10 de agosto