unnamed-2

Fala a verdade, vai, nosso ensaio de moda com looks e truques pra usar a mesma roupa pra andar de bike e pedalar te deixaram com vontade de aderir à prática! Se sim, esta programação aqui é pra você!

Nesta semana, entre os dias 26 e 29 de maio, acontece em São Paulo o #Bicicultura2016, maior encontro de mobilidade por bicicleta e cicloativismo do Brasil – e não vai faltar espaço para as minas debaterem sobre presença nas ruas e divisão sexual na mobilidade da cidade. Mais: o evento todo promoverá a paridade de gênero e raça. Gratuitas, as atividades estarão divididas pela Galeria Olido, Theatro Municipal e Praça das Artes, no centro da cidade de São Paulo.

Na sexta-feira, Djamila Ribeiro (secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo); Mariza Dutra, UMM (militante da União dos Movimentos de Moradia); Nalu Faria, da SOF (Sempre Viva Organização Feminista); e Tatau Godinho (do extinto Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos) se unem no painel Mulheres e a experiência urbana: ativismos e direito à cidade.

No sábado, a jornalista e escritora chilena Lake Sagaris, premiada por seu trabalho de criação de ciclovias em Santiago, no Chile, fala sobre Ativismo, Bicicletas e o Empoderamento feminino e local. Já o painel Pedal e diversidade de gênero reúne cinco projetos de diferentes Estados: o Pedal das Gurias, grupo de mulheres ciclistas urbanas de Porto Alegre (RS); o Biciqueer, que promove cicloativismo, inclusão e segurança LGBTQ em Recife (PE); o coletivo Ciclanas de Fortaleza (CE), que reúne mulheres ciclistas para vivenciar a urbe sobre duas rodas. E, também de Fortaleza (CE), Nina Tangerina, com o mini documentário Saia Pedalando, sobre feminismo e mobilidade urbana. E de São Paulo (SP), Renata Mesquita mostra o Pelotão das minas – a força das mulheres na bicicleta, um grupo que é parte de um projeto mundial para incentivar mulheres a pedalar.

No domingo, a especialista em direito urbanístico, Leticia Bortolon realiza uma reunião exclusivamente com participação feminina sobre Mulheres no empoderamento feminino pela bicicleta. O objetivo é a construção de políticas públicas para o direito à cidade e pela igualdade de gênero, com uma pauta de ações coordenadas de abrangência nacional.

As mais interessadas em ação podem conhecer a Escola Bike Anjo Mulheres, grupo que auxilia ciclistas iniciantes a pedalarem melhor e com mais segurança pelas ruas da cidade. Ou então podem participar do evento Alicate, com corrida urbana de bicis fixas para as mulheres. E para as que querem colocar a mão na massa, de quinta a sábado haverá aulas de mecânica exclusivamente para mulheres com a Oficina Pedal das Gurias.

Para São Paulo, que vive um momento de consolidação e avanço de infraestrutura, marcos legais e de mais ciclistas nas ruas, o evento é histórico.

“Visamos o fortalecimento de uma rede de mulheres ciclistas e cicloativistas com grande capacidade de atuação local, por meio de trocas de experiências, organização de frentes de articulação para ocupação de espaços institucionais, tudo isso por meio de diálogos plurais”, explica Melina Romback, uma das organizadoras do evento.

Dá uma olhada na programação completa e se joga com a bike na cidade: http://bicicultura.org.br/programacao/

Programação dia a dia voltada para as minas:

Quinta-feira, 26/5

Painel – Mulheres e a experiência urbana: ativismos e direito à cidade

26/5 – Programação Interna

Local: Sala Olido

Horário: 16h às 17h30

Esse painel abordará, desde a perspectiva de gênero, a experiência das mulheres e o direito à cidade. Por que o gênero determina limites e possibilidades das mulheres no espaço público? De que forma a divisão sexual do trabalho e o assédio – imbricados com as dimensões de classe e de raça/etnia – se territorializam na vida das mulheres na cidade? A ideia é debater a mobilidade como um dos elementos centrais do acesso democrático à cidade desde três pontos de vista: da experiência dos movimentos sociais feministas e do movimento negro; do papel do Estado a partir da estruturação das políticas públicas para mulheres e, finalmente da perspectiva de mulheres militantes de movimentos sociais urbanos.

Debatedoras (a confirmar): Djamila Ribeiro (Pesquisadora na área de Filosofia Política e feminista); Mariza Dutra, UMM (militante da União dos Movimentos de Moradia); Nalu Faria, da SOF (Sempre Viva Organização Feminista); Tatau Godinho (Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos).

Mediação: Marina Harkot (São Paulo). Marina Harkot é cientista social e pesquisadora na área de gênero e mobilidade urbana.

É preciso fazer inscrição prévia pelo site: http://bicicultura.org.br/pre-inscricoes/

Oficina Pedal das Gurias (exclusiva para mulheres)

26/5 – Programação Externa

Local: Espaço Mão na Roda – Praça das Artes

Horário: 13h30 às 14h

Oficina Mecânica Básica para Mulheres Ciclistas

Oficina Sua Bici seu Mundo (exclusiva para mulheres)

26/5 – Programação Externa

Local: Espaço Mão na Roda – Praça das Artes

Horário: 14h às 15h30

Sexta-feira, 27/5

Ativismo, Bicicletas e o Empoderamento feminino e local – palestrante internacional Lake Sagaris

Data: 27/5 – Programação Interna

Horário: 9h30h as 11h30

Local: Hall – Praça das Artes

Capacidade: 200 Lugares

A jornalista e escritora canadense, Lake Sagaris é a segunda palestrante internacional do #Bicicultura2016. Sagaris é reconhecida e premiada por seu trabalho na cidade de Santiago, no Chile, onde realizou planejamento urbano com colaboração de cidadãos para alcançar uma cidade cada vez mais ciclo inclusiva. No #Bicicultura2016 ela aborda as possibilidades de empoderamento feminino proporcionadas pela cultura da bicicleta.

É preciso fazer inscrição prévia pelo site: http://bicicultura.org.br/pre-inscricoes/

Oficina Pedal das Gurias (exclusiva para mulheres)

27/5 – Programação Externa

Local: Espaço Mão na Roda – Praça das Artes

Horário: 13h30 às 14h

Oficina Mecânica Básica para Mulheres Ciclistas

Oficina Sua Bici seu Mundo (exclusiva para mulheres)

27/5 – Programação Externa

Local: Espaço Mão na Roda – Praça das Artes

Horário: 14h às 15h30

Oficina de customização de bikes (exclusiva para mulheres)

27/5 – Programação Externa

Local: Espaço CicloLab – Praça das Artes

Horário: 14h às 15h30

Sábado, 28/5

Energia Humana, poder cidadão – palestrante internacional Amarilis Horta

Data: 28/5 – Programação Interna

Horário: 9h30h as 11h30

Local: Hall – Praça das Artes

Capacidade: 200 Lugares

Cicloativista e gestora do movimiento pela bicicultura, Amarilis Hortal é fundadora, no Chile, do Centro Bicicultura e do Festival de Bicicultura com cinco versões no Chile e 3 no Brasil. Idealizadora do coletivo Ciclistas Unidos de Chile (CUCH), do Pacto pela Bicicleta (Chile e Perú) e do projeto de lei da Bicicleta (Chile e México). É Ph.Dra. em Filosofía e Letras pela Universidade Eötvös Loránd, de Budapeste, gestora cultural especializada em comunicação audiovisual e docente universitaria de Filosofía e Estética.

É preciso fazer inscrição prévia pelo site: http://bicicultura.org.br/pre-inscricoes/

Pedaladas – Pedal e diversidade de gênero

28/5 – Programação Interna

Local: Sala de Exposição – Praça das Artes

Horário: 9h30 às 11h

Capacidade: 80 Lugares

Quatro projetos femininos de regiões diversas do País se reúnem num painel para debater o mundo da bicicleta e a diversidade de gênero! O Pedal das Gurias, grupo de mulheres ciclistas urbanas de Porto Alegre (RS), apresenta sua experiência com mais 800 integrantes que se reúnem semanalmente para pedalar. Há a inclusão e promoção de segurança LGBTQ no cicloativismo, do projeto Biciqueer, de Recife (PE), que realiza passeios ciclísticos semanais. Já o coletivo Ciclanas de Fortaleza (CE), reúne mulheres ciclistas que compartilham experiências e vivenciam a cidade juntas sobre duas rodas, com todos os problemas singulares que a urbe pode trazer para pessoas do gênero feminino. Também de Fortaleza (CE), a blogueira e ciclista urbana engajada, Nina Tangerina, apresenta o mini documentário Saia Pedalando, sobre feminismo e mobilidade urbana. E Renata Mesquita, de São Paulo (SP), apresenta o Pelotão das minas – a força das mulheres na bicicleta, um grupo que é parte de um projeto mundial para incentivar mulheres a pedalar.

É preciso fazer inscrição prévia pelo site: http://bicicultura.org.br/pre-inscricoes/

Reunião Aberta – Escola Bike Anjo Mulheres

28/5 – Programação Interna

Local: Olido – Sala de Ensaio Café

Horário: 14h às 15h30

Capacidade: 50 Lugares

O Bike Anjo é uma rede de ciclistas experientes e apaixonados por bicicleta que ajudam mais pessoas a terem boas experiencias ao pedalar na cidade. Com um serviço gratuito, os bike anjos ensinam como se comportar no transito, melhores trajetos, noções de legislação do ciclista e cuidados básicos.

O Bike Anjas São Paulo se inspirou no grupo de mulheres de todo país que surgiu após o Segundo Encontro Nacional da Rede Bike Anjo em 2015. Recém criado, o grupo pretende auxiliar ciclistas iniciantes a terem pedaladas incríveis nas ruas da cidade.

É preciso fazer inscrição prévia pelo site: http://bicicultura.org.br/pre-inscricoes/

Oficina Pedal das Gurias (exclusiva para mulheres)

28/5 – Programação Externa

Local: Espaço Mão na Roda – Praça das Artes

Horário: 13h30 às 14h

Oficina Mecânica Básica para Mulheres Ciclistas

Oficina Sua Bici seu Mundo (exclusiva para mulheres)

28/5 – Programação Externa

Local: Espaço Mão na Roda – Praça das Artes

Horário: 14h às 15h30

Alicate

28/5 – Programação Externa

Local: Theatro Municipal – Frente

Horário: 15h às 18h

Corrida urbana de bicis fixas para as mulheres.

Domingo – 29/5

Reunião – Mulheres no empoderamento feminino pela bicicleta (exclusiva para mulheres)

29/5 – Programação Interna

Local: Sala de Exposição – Praça das Artes

Horário: 11h30 às 13h30

Capacidade: 80 Lugares

Sob comando de Letícia Bortolon, arquiteta e urbanista, especialista em direito urbanístico a reunião trata da construção de uma rede nacional de incidência na pauta da mobilidade urbana, tendo no uso da bicicleta um meio de empoderamento feminino.

A conversa trata das ações para o fortalecimento da atuação nas associações locais e nacional pró-mobilidade ativa; formas de envolvimento nos espaços institucionais de construção de políticas públicas para o direito à cidade e pela igualdade de gênero e pactuaremos uma pauta de ações coordenadas de abrangência nacional.

É preciso fazer inscrição prévia pelo site: http://bicicultura.org.br/pre-inscricoes/