Jaqueline Carvalho

Jaqueline Carvalho

Bicampeã olímpica e estrela da Seleção Brasileira de vôlei feminino, a ponteira Jaqueline Carvalho enfrentou um grande dilema em 2014. Casada com o também campeão olímpico Murilo, ela havia acabado de ter o primeiro filho do casal, o pequeno Arthur. Estava sem jogar há quatro meses e sem perspectiva de contrato. Entre a felicidade de ser mãe, veio o desespero do desemprego: ela não queria, de jeito nenhum, ir jogar no exterior, longe da família. Por causa de uma regra da confederação brasileira, que impedia times brasileiros de ter mais do que duas grandes jogadoras de renome no elenco, também não encontrava espaço em nenhum clube nacional. Temia o ostracismo de uma temporada inteira parada, um medo que acabou não se concretizando – depois de defender o Minas, ano passado foi anunciada no Sesi São Paulo, mesma equipe do marido. Uma das melhores jogadoras da seleção atual, Jaque chega preparadíssima para as olimpíadas do Rio para repetir, quem sabe, o ouro de Londres 2012.

Foto de Noah Salzman

Foto de Noah Salzman

Carli Lloyd

A grande destaque do futebol feminino norte-americano, de 33 anos, tentará sua terceira medalha de ouro olímpica no Brasil. Apesar de nós termos Marta, os Estados Unidos ainda são a maior potência do esporte e grande parte do desempenho se deve a Lloyd. Quer mais um motivo para ver a meia-atacante brilhar nos gramados brasileiros? No último dia 11, Lloyd foi eleita a melhor jogadora de futebol do mundo em 2015. O prêmio Bola de Ouro, da Fifa, coroou a campanha quase impecável da jogadora no mundial do ano passado: ela foi autora de nada menos do que 3 dos 5 gols que a seleção americana marcou contra o Japão, na final da Copa do Mundo, no Canadá.

fabiana murer

Fabiana Murer

A brasileira Fabiana Murer, do salto com vara, já foi bicampeã mundial – no ano passado, levou a prata no torneio. Quando o assunto são as olimpíadas, porém, a participação da atleta paulista ganha ares de superação pessoal: para ela, chegar no topo no Rio não é apenas um sonho, é a chance única de virar a página sombria das duas últimas campanhas. Em Pequim, 2008, Fabiana vivenciou o pesadelo do sumiço inexplicável de suas varas bem na final do torneio. Em Londres, 2012, não passou das eliminatórias. A determinação e o trabalho duro dos últimos anos têm tudo para garantir resultados melhores nesta edição dos jogos. Vale a pena torcer por ela.

Ana Marcela Cunha e Poliana Okimoto

Ana Marcela Cunha e Poliana Okimoto

A natação feminina brasileira chega ao Rio com duas grandes concorrentes para disputar a maratona aquática, um percurso de 10km em mar aberto (no Brasil, a largada será no Forte de Copacabana). Fora da última edição das olimpíadas por muito pouco, depois de estrear bem em Pequim 2008, Ana Marcela Cunha chega com moral – no Mundial de Kazan, ano passado, foi bronze. Ao seu lado, também representando o país, estará Poliana Okimoto, que foi campeã mundial em 2013 e faz sua terceira olimpíada.

Foto de Dannykuconn

Foto de Dannykuconn

Elena Delle Donne

No ano passado, Elena Delle Donne recebeu o prêmio de jogadora mais valiosa da WNBA, a liga feminina de basquete americano, depois de uma temporada arrasadora em seu time, o Chicago Sky. O domínio norte-americano nas quadras do esporte é mais do que conhecido, com estrelas como LeBron James. Quando o noticiário de esportes menciona Elena, porém, quase sempre se refere a ela como “a musa da WNBA”. Beleza à parte, a craque trabalha duro para garantir seu lugar na disputadíssima seleção americana, neste ano. Alguém duvida que ela vai estar na lista?