PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • Aline mãe do Pedro

1.709 bebês com microcefalia abandonados pelo Estado

Por Lais ModelliMães denunciam descaso do governo com acompanhamento médico das crianças. A maioria teve que largar o emprego para cuidar do filho sozinha ou passar madrugadas diante de hospitais. Resta a penúria
  • madasta peq

“Nem toda madrasta é má, nem toda mãe é maravilhosa”

Por Equipe AzMinaEu estava feliz como madrasta, até que um dia a criança solta, sem querer: “minha mãe me falou que eu iria te odiar, que você não seria legal comigo, mas ela estava enganada”. Que soco no estômago!
  • Amanda Vitória que nasceu com microcefalia e a mãe Thayanne Alves da Silva

Mãe adolescente de uma criança com microcefalia – e grávida da segunda durante o surto de Zika

Por Lais ModelliAcompanhamos a rotina pesada de Thayanne, a amazonense que foi abandonada pelo pai da bebê e viveu quatro anos achando que era mãe da única pessoa com microcefalia do mundo
  • woman-child-doctor-hospital

Alta do Zika passou, mas ainda é perigoso engravidar, afirma especialista

Por Lais ModelliSegundo Érika Fontana Sampaio, infectologista do Instituto Emilio Ribas, ainda é importante proteger-se de picadas e é difícil prever quando será 100% seguro engravidar
  • Mãe Thayanne grávida de oito meses e mãe de Amanda 7 anos que nasceu com microcefalia

Nove meses de Zika: e agora?

Por Lais ModelliFoi uma gestação inteira desde que primeiro ouvimos falar de Zika vírus e microcefalia. AzMina aproveita a data para reanimar as discussões com uma série sobre o que mudou na vida dessas mães após o nascimento de seus bebês
  • 155329952_60ae0fb834_o

Domésticas fazem movimento em redes sociais para denunciar abusos dos patrões

Por Amanda NegriPágina “Eu Empregada Doméstica”, criada por Joyce Fernandes, reúne relatos sobre essas profissionais e as situações humilhantes a que são submetidas por seus patrões.
  • SONY DSC

“Nós, lésbicas, não existimos para o prazer masculino!”

Por Equipe AzMinaAlém do machismo que impera na nossa sociedade, nós, lésbicas, somos silenciadas e desrespeitadas o tempo todo e isso caiu sobre mim como uma bomba naquela noite.
  • DSC_0440

A freira católica que está fazendo uma leitura feminista da Bíblia

Por Keila BisEm seus encontros com homens e mulheres, Tea Frigerio quebra preconceitos supostamente "fundamentados" no livro sagrado
  • 2454457C00000578-0-image-a-29_1419948017368

Adolescente gay assassinado em sala de aula levanta questões sobre ensino no Brasil

Por Tamy RodriguesProfessora assistiu à seção de bullying sem repreender os agressores, que eram seus alunos
  • ffde67b466350e48a9878362ffd07c0ba793c619

A vida invisível de nossas mães e avós

Por Nana QueirozRomance retrata a sociedade carioca dos 1950, mas alimenta reflexões que servem para os dias de hoje
LEIA MAIS

Quem somos

A Associação AzMina é uma instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é combater os diversos tipos de violência que atingem mulheres brasileiras, considerando as diversidades de raça, classe e orientação sexual. Realizamos palestras, debates, oficinas e outros eventos para aprofundar a discussão sobre os direitos da mulher e combater o machismo. Também organizamos grupos de apoio psicológico e legal para mulheres em relacionamentos abusivos, além de criar campanhas de conscientização nas redes sociais, envolvendo movimentos de mulheres e mobilizando a grande mídia.

Já a Revista AzMina é uma publicação online e gratuita para mulheres de A a Z. Nela, há espaço para todos os tipos de beleza, rostos e formas. Ensaios de moda que contemplam corpos reais, evitam o consumismo e trazem sugestões de looks que cabem no bolso. Além disso,  investimos em reportagens profundas, independentes, responsáveis, sem rabo preso com anunciantes.

Somos uma equipe apaixonada por este projeto e dedicada a usar o jornalismo para ajudar a melhorar o mundo, principalmente para nós, mulheres!

ESPIE NOSSOS PERFIS

Assine AzMina

Somos uma revista sem fins lucrativos que pretende construir um novo senso de beleza e dar ferramentas para que TODAS as mulheres brasileiras sejam ainda mais poderosas. Mas só podemos fazer tudo isso garantindo nossa independência editorial se você colaborar conosco! Coloque uma moeda no nosso cofrinho e prometemos cuidar dela com muita responsabilidade, transparência e carinho.

SAIBA COMO PATROCINAR

Anuncie n’AzMina

Nossa proposta é transformar a publicidade num ato de responsabilidade social. Conheça nosso conceito de publicidade amiga da mulher e venha fazer com a gente uma revista inteligente e divertida, que acredita no potencial de cada mulher até nos anúncios.

LEIA MAIS