PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • divã carnaval 21-2

#AconteceuNoCarnaval: Meu namorado me agrediu pra me ‘proteger de mim mesma’

Por Divã d'AzMina'Ele deixou marcas roxas nos meus braços, pra me defender da minha infantilidade. Dos meus ciúmes exagerados'
  • carne2-1

Pode um diretor mudar uma ópera para falar de machismo e racismo?

Por Rebecca SouzaRebecca Souza narra a nova montagem da ópera, que levanta o debate sobre violência contra a mulher e anticiganismo. "Passaram os séculos e ainda queremos que mulheres sejam punidas por ousar ser quem são".
  • assedioa_dest-1

Nem tudo é permitido no Carnaval e assédio pode dar cadeia, diz procuradora do Ministério Público de SP

Por Carolina OmsUsando o guia produzido pela Revista AzMina, o Ministério Público de São Paulo entrou na campanha #CarnavalSemAssédio, lembrando quais são os nossos direitos e como devemos agir quando eles forem violados.
  • porque chamamos mulheres de menina

Por que chamamos mulheres de meninas?

Por Divã d'AzMina'Lembro do incômodo que senti quando perguntei quantos anos tinha a 'menina da limpeza' do trabalho de uma amiga. Uns 50 foi a resposta'
  • carnaval2

Resistência, afirmação, representação: nesse carnaval tem bloco feminista para todos os gostos!

Por Luisa TollerLuisa Toller lista os blocos feministas pelo Brasil, e conta um pouco da história de cada um
  • paquera_dest-1

Qual a diferença entre assédio e paquera?

Por Carolina OmsSaímos pelas ruas de São Paulo para perguntar aos homens qual a diferença entre assédio e paquera. "É complicado", disse um deles. A gente descomplica!
  • Moxine_IwiOnodera_600x337

Moxine, duo de indie pop, lança EP sobre amores e rumos incontroláveis

Por Hard GrrrlsMônica​ ​Agena assina a produção do "Passion Pie", que reafirma a importância da mulher na música
  • trans_dest-1

Uma pessoa trans é morta a cada 48 horas no Brasil

Por Ponte JornalismoEm 2017, foram 185 mortos, maior número já registrado por observatório de violência trans. A transfobia, preconceito baseado na identidade de gênero, permeia a motivação principal destes crimes brutais.
  • aranha_dest-1

No Carnaval, na cama e nas ruas, “deixa ela tocar em paz”

Por Carolina OmsSe, antes, as músicas de carnaval eram predominantemente machistas ou racistas, agora, as mulheres ocupam esses espaços com marchinhas feministas e que lutam pela igualdade de gênero.
  • trans fake2

Precisamos valorizar atores e atrizes trans

Por Jaqueline de JesusJaqueline de Jesus questiona a recorrente colocação de pessoas cis no papel de pessoas trans: "atores trans têm sido sistematicamente excluídos de representar qualquer papel"
LEIA MAIS

Quem somos

AzMina é uma instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é combater os diversos tipos de violência que atingem mulheres brasileiras, considerando as diversidades de raça, classe e orientação sexual. Realizamos palestras, debates, oficinas e outros eventos para aprofundar a discussão sobre os direitos da mulher e combater o machismo, além de criar campanhas de conscientização nas redes sociais, envolvendo movimentos de mulheres e mobilizando a grande mídia.

Já a Revista AzMina é uma publicação online e gratuita para mulheres de A a Z. Nela, há espaço para todos os tipos de beleza, rostos e formas. Investimos em reportagens profundas, independentes,  responsáveis e comprometidas com a informação que combate os diversos tipos de violência de gênero e que traz ferramentas para que TODAS sejam ainda mais poderosas.

Somos uma equipe apaixonada por este projeto e dedicada a usar o jornalismo e a educação para ajudar a melhorar o mundo, principalmente para nós, mulheres!

ESPIE NOSSOS PERFIS

Assine AzMina

Somos uma revista sem fins lucrativos que pretende construir um novo senso de beleza e dar ferramentas para que TODAS as mulheres brasileiras sejam ainda mais poderosas. Mas só podemos fazer tudo isso garantindo nossa independência editorial se você colaborar conosco! Coloque uma moeda no nosso cofrinho e prometemos cuidar dela com muita responsabilidade, transparência e carinho.

SAIBA COMO PATROCINAR

Seja um(a) parceiro(a)

Nossa proposta é transformar a publicidade num ato de responsabilidade social. Conheça nosso conceito de publicidade amiga da mulher e venha fazer com a gente uma revista inteligente e divertida, que acredita no potencial de cada mulher em todos os sentidos.

LEIA MAIS