PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • homedareportagem

Como amar um corpo fora do padrão? Três mulheres toparam esse desafio conosco!

Por Maria RibeiroGordura, maternidade, paralisia. Elas falam de suas inseguranças e as desnudam para nossas câmeras. O resultado? Pura poesia!
  • DESOCUPACAO-ESCOLA menor

Nós, minas periféricas, fomos a linha de frente da ocupação da nossa escola

Por Equipe AzMinaUma estudante secundarista conta como debateu machismo e feminismo durante a ocupação de sua escola
  • Hazuki_de_achtste_maand-Rijksmuseum_RP-P-1995-312

‘Quando chegava a hora da penetração, aquilo sempre me destruía’

Por Equipe AzMina'Sempre senti dor e mal estar na penetração. Procurei respostas em muitos lugares. Acreditava que havia algo de errado comigo. Hoje, aos 32 anos, vejo a coisa de outra forma'
  • fantasticaspupes

Quer ouvir música garage das minas? Tem sim ‘señora’!

Por Hard GrrrlsBanda argentina 'Las Fantásticas Pupés' conquista seu espaço na cena cultural predominantemente masculina dos 'hermanos'. Elas vieram ao Girls Rock Camp Brasil e contaram pra gente suas experiências
  • 57

A prostituição deveria ser ilegal ou regulamentada? Talvez nenhum dos dois…

Por Nana QueirozModelos que se afastam dos extremos têm ganhado cada vez mais espaço. Conheça como funciona a prostituição ao redor do mundo
  • img_0234_1_20111130221236_900x600_70percent-900x562

Do fetiche ao medo: minha viagem pelo mundo do sexo pago

Por Nana QueirozPor trás desta série está uma repórter em curto circuito: tudo que vi e ouvi durante os oito meses de apuração só me fazem concluir que temos que ir além do ‘ser contra ou a favor’
  • Henryk-Siemiradzki.-Phryne-in-Eleusus-1889

Breve história da prostituição: da puta sagrada à devassa pecadora

Por Nana QueirozAo contrário do que se imagina, a prostituição nasceu bem antes das sociedades patriarcais - e até do machismo
  • chamada

O tráfico sexual no país mais poderoso do mundo

Por Nana QueirozAté 2011, na Georgia, menores de idade também respondiam pelo “crime de prostituição”. Hoje, 601 permanecem presas pelo mesmo motivo em outros estados americanos
  • Henri_de_Toulouse-Lautrec_057

Por que os homens pagam por sexo?

Por Nana QueirozEntrevistamos 191 clientes de prostitutas para descobrir como, apesar de proibições e travas morais, a demanda por serviços sexuais sempre é alta
  • woman

Nascem Flores no Asfalto Capítulo 10: Atrás da palavra

Por Mariana LozziNessa distopia, reproduzir deixou de ser escolha. Acompanhe toda sexta a luta de quatro mulheres que resistem a que seus corpos sejam reduzidos a ferramentas.
LEIA MAIS

Quem somos

A Associação AzMina é uma instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é combater os diversos tipos de violência que atingem mulheres brasileiras, considerando as diversidades de raça, classe e orientação sexual. Realizamos palestras, debates, oficinas e outros eventos para aprofundar a discussão sobre os direitos da mulher e combater o machismo. Também organizamos grupos de apoio psicológico e legal para mulheres em relacionamentos abusivos, além de criar campanhas de conscientização nas redes sociais, envolvendo movimentos de mulheres e mobilizando a grande mídia.

Já a Revista AzMina é uma publicação online e gratuita para mulheres de A a Z. Nela, há espaço para todos os tipos de beleza, rostos e formas. Ensaios de moda que contemplam corpos reais, evitam o consumismo e trazem sugestões de looks que cabem no bolso. Além disso,  investimos em reportagens profundas, independentes, responsáveis, sem rabo preso com anunciantes.

Somos uma equipe apaixonada por este projeto e dedicada a usar o jornalismo para ajudar a melhorar o mundo, principalmente para nós, mulheres!

ESPIE NOSSOS PERFIS

Assine AzMina

Somos uma revista sem fins lucrativos que pretende construir um novo senso de beleza e dar ferramentas para que TODAS as mulheres brasileiras sejam ainda mais poderosas. Mas só podemos fazer tudo isso garantindo nossa independência editorial se você colaborar conosco! Coloque uma moeda no nosso cofrinho e prometemos cuidar dela com muita responsabilidade, transparência e carinho.

SAIBA COMO PATROCINAR

Seja um(a) parceiro(a)

Nossa proposta é transformar a publicidade num ato de responsabilidade social. Conheça nosso conceito de publicidade amiga da mulher e venha fazer com a gente uma revista inteligente e divertida, que acredita no potencial de cada mulher em todos os sentidos.

LEIA MAIS