PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • cristasP-1

Quem são as mulheres que querem unir religião e feminismo

Por Josie JeronimoEntre católicas e evangélicas, surgem grupos que recusam a submissão
  • facade-2

Nudez e pedofilia: onde está o real problema?

Por Tayná LeiteIncentivamos uma relação com a sexualidade desigual e potencialmente perigosa para meninas e mulheres, corroborando com esse número vergonhoso de abusos
  • 1796838_449930345140474_8090325_o

‘Ajudo mulheres que querem fazer aborto: envio pílulas para 180 países’

Por Equipe AzMina'O aborto é assistência à saúde. Você não precisa acreditar nessa necessidade, mas ela existe.'
  • mapa3

Sou uma mulher cigana, mas não sou um estereótipo

Por Rebecca SouzaSendo de etnia cigana atravessei a ponte do machismo do meu povo e a ponte da negação dos meus direitos humanos. E ainda há pontes a atravessar
  • capa-pedras-equilibrio-tenda vermelha-3-10

Autocuidado: Como reprogramar uma mente educada a viver com medo?

Por Juliana Luna'Fomos educadas a viver com medo. De não conseguir trabalho, de ficar solteira, de casar, de os peitos caírem, de ser inteligente.'
  • mulherespol-1_thumb2

A reforma política pode aumentar a participação das mulheres?

Por Samanta DiasMudanças para incentivar a participação de mulheres na política podem ser aprovadas nesta semana.
  • mulhernegra-thumb2

Criminalização do aborto mata mais mulheres negras

Por Thais FolegoRacismo institucional eleva a chance de pretas e pardas morrerem durante o procedimento em 2,5 vezes em relação às brancas
  • diva_28-9_interna_thumb2

Fiz vários abortos sem pedir ajuda aos ‘pais’: me via como a única responsável

Por Equipe AzMina'Demorei muito a perceber que a responsabilidade é dos dois envolvidos. A gente sofre pra cacete e ainda é condenada'
  • luizaromao

Poeta mostra a História do Brasil sob a ótica de um útero

Por Bruna EscaleiraEm seu segundo livro, Luiza Romão revisita bases patriarcais com 28 poemas que representam as fases do ciclo menstrual
  • capa_diva_21-9

Eu fiz um aborto: ‘Sou trans, e engravidei depois de ser estuprado’

Por Equipe AzMina'Tive vergonha de ir à Polícia. Eu, com um corpo de homem, mas com uma vagina. Eles iam rir de mim.'
LEIA MAIS

Quem somos

A Associação AzMina é uma instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é combater os diversos tipos de violência que atingem mulheres brasileiras, considerando as diversidades de raça, classe e orientação sexual. Realizamos palestras, debates, oficinas e outros eventos para aprofundar a discussão sobre os direitos da mulher e combater o machismo. Também organizamos grupos de apoio psicológico e legal para mulheres em relacionamentos abusivos, além de criar campanhas de conscientização nas redes sociais, envolvendo movimentos de mulheres e mobilizando a grande mídia.

Já a Revista AzMina é uma publicação online e gratuita para mulheres de A a Z. Nela, há espaço para todos os tipos de beleza, rostos e formas. Ensaios de moda que contemplam corpos reais, evitam o consumismo e trazem sugestões de looks que cabem no bolso. Além disso,  investimos em reportagens profundas, independentes, responsáveis, sem rabo preso com anunciantes.

Somos uma equipe apaixonada por este projeto e dedicada a usar o jornalismo para ajudar a melhorar o mundo, principalmente para nós, mulheres!

ESPIE NOSSOS PERFIS

Assine AzMina

Somos uma revista sem fins lucrativos que pretende construir um novo senso de beleza e dar ferramentas para que TODAS as mulheres brasileiras sejam ainda mais poderosas. Mas só podemos fazer tudo isso garantindo nossa independência editorial se você colaborar conosco! Coloque uma moeda no nosso cofrinho e prometemos cuidar dela com muita responsabilidade, transparência e carinho.

SAIBA COMO PATROCINAR

Seja um(a) parceiro(a)

Nossa proposta é transformar a publicidade num ato de responsabilidade social. Conheça nosso conceito de publicidade amiga da mulher e venha fazer com a gente uma revista inteligente e divertida, que acredita no potencial de cada mulher em todos os sentidos.

LEIA MAIS