PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • Leonice-Tupari_Foto-Marcela-Bonfim-15-1-1024x576

Mulheres indígenas se unem por voz em Rondônia

Por Amazônia RealEm entrevista, Leonice Tupari conta como foi ocupar o espaço de liderança na tomada de decisão 
  • 2018semculpa

‘Viver sem culpa, essa é minha resolução para o Ano Novo. E a sua?’

Por Equipe AzMina'Passamos a vida elogiando pessoas queridas, mas não conseguimos perceber o mesmo em nós'
  • cupid

Afinal, o que é o amor que os brancos tanto falam?

Por Rebecca SouzaRebecca Souza conta sobre a erotização da mulher cigana: "Ah! essas são fogosas, sobrenaturais na cama. E ciganos não tem isso de fidelidade, né?"
  • 15-livros

15 livros incríveis lançados por mulheres em 2017

Por Bruna EscaleiraConfira uma seleção de obras literárias de autoria feminina lançadas no Brasil este ano. "Esta é apenas a ponta do iceberg - ou melhor, da fogueira! - de obras inflamam nossas letras"
  • azm_explrod_destaque

As meninas de Minas

Por Amanda CélioCom a maior malha rodoviária do Brasil, Minas Gerais é líder no número de pontos de exploração sexual de crianças e adolescentes. Confira reportagem investigativa de Amanda Célio
  • people2

Talvez eu não seja a melhor mãe do mundo… E tudo bem!

Por Tayná Leite"Precisamos aceitar formas diferentes de maternar e que muitas de nós não amam a maternidade mais do que tudo na vida"
  • ciganasdest-3

As dificuldades no acesso aos direitos

Por Anaíra SarmentoQuando as ciganas chegaram à Joinville, já tomavam remédio para depressão, mas com a falta diária de alimentos, insegurança e insalubridade no terreno, o sofrimento aumentou.
  • PFR_1444

As contradições do matrimônio cigano

Por Anaíra SarmentoMesmo em um acampamento chefiado por mulheres, a tradição fala mais alto e as regras para as mulheres são mais duras. Uma vez viúvas, as ciganas não podem casar novamente.
  • ciganasdest-2

Tecendo a resistência

Por Anaíra SarmentoSem os maridos, as ciganas tiveram que aprender o comércio. Em casos extremos, quando não há encomendas de costura, acabam recorrendo à mendicância.
  • ciganas_principaldest-1

A história do único acampamento cigano chefiado por mulheres

Por Anaíra SarmentoFundado em 2011 por três viúvas, o acampamento enfrentou machismo, racismo e o desamparo.
LEIA MAIS

Quem somos

AzMina é uma instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é combater os diversos tipos de violência que atingem mulheres brasileiras, considerando as diversidades de raça, classe e orientação sexual. Realizamos palestras, debates, oficinas e outros eventos para aprofundar a discussão sobre os direitos da mulher e combater o machismo, além de criar campanhas de conscientização nas redes sociais, envolvendo movimentos de mulheres e mobilizando a grande mídia.

Já a Revista AzMina é uma publicação online e gratuita para mulheres de A a Z. Nela, há espaço para todos os tipos de beleza, rostos e formas. Investimos em reportagens profundas, independentes,  responsáveis e comprometidas com a informação que combate os diversos tipos de violência de gênero e que traz ferramentas para que TODAS sejam ainda mais poderosas.

Somos uma equipe apaixonada por este projeto e dedicada a usar o jornalismo e a educação para ajudar a melhorar o mundo, principalmente para nós, mulheres!

ESPIE NOSSOS PERFIS

Assine AzMina

Somos uma revista sem fins lucrativos que pretende construir um novo senso de beleza e dar ferramentas para que TODAS as mulheres brasileiras sejam ainda mais poderosas. Mas só podemos fazer tudo isso garantindo nossa independência editorial se você colaborar conosco! Coloque uma moeda no nosso cofrinho e prometemos cuidar dela com muita responsabilidade, transparência e carinho.

SAIBA COMO PATROCINAR

Seja um(a) parceiro(a)

Nossa proposta é transformar a publicidade num ato de responsabilidade social. Conheça nosso conceito de publicidade amiga da mulher e venha fazer com a gente uma revista inteligente e divertida, que acredita no potencial de cada mulher em todos os sentidos.

LEIA MAIS